Virtualização para usuários domésticos

A virtualização é assim definida pela Wikipédia:

“Em computação, virtualização é a simulação de uma plataforma de hardware, sistema operacional, dispositivo de armazenamento ou recursos de rede.”

Uma “máquina virtual” — virtual machine ou simplesmente VM, em inglês — é um “computador de mentirinha”, que, por força de um programa especializado, roda em outro computador para “enganar” tanto o sistema operacional quanto as aplicações que rodam sob ele.

Usando a virtualização eu posso rodar Windows no meu Linux, Linux no meu Windows, ou mesmo rodar tanto Linux quanto Windows no meu OS-X.

Bom, e qual o motivo de tanta conversa sobre virtualização?

Simples! Quero que você se anime a experimentar o Linux “dentro” do seu Windows.

Eu já produzi dois textos sobre esta ideia (Linux dentro do Windows), que, apesar de parecer bastante complicada, é simples. Basicamente, você terá que baixar um dos programas gratuitos de virtualização, VMWare Player e VirtualBox, instalá-lo no seu Windows, criar uma VM pelo próprio programa e então instalar nela uma distribuição Linux.

Meus textos, já citados, estão nos links abaixo, e devem servir como ponto de partida para quem se dispuser a enfrentar o desafio de virtualizar o Linux. As informações faltantes, assim como quase tudo hoje em dia, podem ser encontradas usando o Google.