Corrigindo Erro do Pulse Audio no Debian

Uso o Debian Testing e o Pulseaudio não funcionava por aqui, o que me impedia de utilizar o Firefox normal (estava preso ao Firefox-esr, onde o som funcionava com o Alsa).

Pesquisei um bocado sobre isso e encontrei uma dica para resetar o Pulseaudio no site de suporte do Arch Linux.

Para isso, rode os dois comandos abaixo (o segundo como root/sudo):

$ rm -rf ~/.pulse* ~/.config/pulse
$ sudo rm -rf /tmp/pulse*

Depois disso recarregue o Pulseaudio e ele deve funcionar.

Comando para recarregar:

$ pulseaudio -D

Para ter certeza de que funcionou rode mais um comando:

$ systemctl --user status pulseaudio.*

A resposta deve, como a minha, conter: “Active: active (running)”. E a saída completa
será mais ou menos assim:

● pulseaudio.service - Sound Service
Loaded: loaded (/usr/lib/systemd/user/pulseaudio.service; disabled; vendor pr
Active: active (running) since Tue 2018-08-07 02:17:20 -03; 16min ago
Main PID: 780 (pulseaudio)
CGroup: /user.slice/user-1000.slice/user@1000.service/pulseaudio.service
└─780 /usr/bin/pulseaudio --daemonize=no

● pulseaudio.socket - Sound System
Loaded: loaded (/usr/lib/systemd/user/pulseaudio.socket; disabled; vendor pre
Active: active (running) since Tue 2018-08-07 02:15:40 -03; 18min ago
Listen: /run/user/1000/pulse/native (Stream)
CGroup: /user.slice/user-1000.slice/user@1000.service/pulseaudio.socket

Livrando-se do “ctrl + delete” no Debian 8

Instalei o Debian 8 “Jessie” no meu netbook e gostei do desempenho, que achei mais do que razoável para uma máquina AMD C50.

Mas não gostei do que eu já tinha visto no Fedora 19, que era o Nautilus exigindo a combinação de teclas “ctrl + delete” para mandar um arquivo para a lixeira.

Livrar-se do “ctrl” para usar apenas o “delete” demanda a modificação de uma configuração e a edição de um arquivo, assim:

– Configuração:

a) abra o dconf-editor e caminha até a chave “org -> gnome -> desktop -> interface”

b) habilite a opção “can-change-accels”

c) rode no terminal

nautilus -q

para reiniciar o gerenciador de arquivos “nautilus”

– Edição do arquivo:

d) pelo terminal rode

gedit ~/.config/nautilus/accels

e) mude a quinta linha, que deve ficar assim:

(gtk_accel_path "/DirViewActions/Trash" "Delete")

(é preciso tirar o “;” do começo da linha e deixar o “Delete” sozinho, apagando o que fica antes dele).

f) após salvar o arquivo, reinicie sua sessão ou rode, mais uma vez,

nautilus -q

Experimente agora mandar um arquivo selecionado para a lixeira apenas com a tecla “delete”.

Ubuntu: corrigindo erro do pciehp (hot plug do pci-e)

De uns tempos para cá passei a receber o erro abaixo durante o boot do meu Ubuntu 14.04, devidamente atualizado.

[ 2050.615144] pciehp 0000:00:1c.5:pcie04: Card not present on Slot(0-2)
[ 2050.619104] pciehp 0000:00:1c.5:pcie04: Card present on Slot(0-2)

As linhas acima aparecem antes da tela de splash e se repetem indefinidamente, sendo que, algumas vezes, o erro se parece com isso:

pciehp 0000:00:1c.5:pcie04: Card not present on Slot(37)
pciehp 0000:00:1c.5:pcie04: Card present on Slot(37)
pciehp 0000:00:1c.5:pcie04: Link Training Error occurs
pciehp 0000:00:1c.5:pcie04: Failed to check link status

A repetição da informação de erro acaba inviabilizando o uso do terminal virtual (aquele que você pode acessar com “Ctrl + ALt + F1 até F6”), mas não o login gráfico, que tem seu desempenho prejudicado.

Depois de buscar muito, achei a solução que disponibilizo abaixo:

No terminal já aberto, rode:

sudo nano /etc/default/grub

Forneça sua senha de usuário e, no arquivo aberto, altere a linha que antes estava assim:

GRUB_CMDLINE_LINUX_DEFAULT="quiet splash"

Deixando-a assim:

GRUB_CMDLINE_LINUX_DEFAULT="quiet splash pcie_ports=compat"

Salvando e fechando o editor.

Volte ao terminal e rode:

sudo update-grub

Reinicie o computador e veja se o erro sumiu (no meu caso, sumiu).

Gerenciando PPAs graficamente

Quem usa Ubuntu ou derivados dele, como o Linux Mint, pode gerenciar PPAs graficamente. Quem nos lembra disso é o companheiro de VOL “izaias”, que publicou a dica abaixo:

– Removendo PPAs graficamente no Ubuntu

Outra forma de fazer isso é utilizar um programa que se pode buscar num PPA. Trata-se do “Y PPA Manager”, cujas funções e instalação vêm bem descritas em outro link:

Como instalar Y PPA Manager 2014.04.17-1 no Ubuntu 14.04 e Linux Mint 16

Siga os links e divirta-se.

O Xubuntu 14.04 nos notes e nets AMD C50 e C60

A plataforma “Fusion” da AMD (C50 e C60) é bastante comum em netbooks e notebooks de entrada, pois tem bom desempenho com Windows 7 graças à GPU integrada. No Linux, no entanto, ela sofre com o Ubuntu e Unity, assim como com o Linux Mint, esteja o último rodando o Cinnamon ou o Mate.

Sendo proprietário de um netbook Asus com um AMD C60 e usuário de Linux de longa data, já testei várias distros e ambientes nele, e nunca tinha tido um desempenho que se comparasse ao obtido com o Windows 7 Home Premium que também roda nele. Mas com o novo Xubuntu 14.04, isso mudou, pois o desempenho é bem superior ao do Windows.

Fica então a dica: instale o Xubuntu 14.04 no seu note ou net AMD C50 ou C60.

Fazer chroot no Ubuntu

Esta é uma excelente opção para consertar besteiras: usar um Live CD para fazer um chroot para o seu Ubuntu instalado no HD. Assim você vai trabalhar no Ubuntu instalado e poderá consertar o que eu mesmo tive que consertar outro dia (por erro, removi todos os kernels do meu Ubuntu).

Primeiro, dê boot pelo Live CD (pode ser qualquer um, do Ubuntu ou de outra distro que também rode “live”, mas que permita o uso de um terminal como root) e conecte-se à internet (se você vai precisar instalar qualquer coisa, vai precisar da conexão).

Agora abra um terminal e vamos ao primeiro passo:

mkdir /mnt/ubuntu

Agora você precisa saber onde estão as partições do seu Ubuntu. No meu caso, raiz (/) em /dev/sda2 e usuário (/home) em /dev/sda7.  Portanto:

sudo su (a partir daqui, todos os comandos serão do root)
mount /dev/sda2 /mnt/ubuntu
mount /dev/sda7 /mnt/ubuntu/home

Agora vamos deixar a internet ativa também no Ubuntu instalado:

cp -L /etc/resolv.conf /mnt/ubuntu/etc/resolv.conf

E montar alguns diretórios essenciais:

mount --bind /proc /mnt/ubuntu/proc
mount --bind /dev /mnt/ubuntu/dev
mount --bind /sys /mnt/ubuntu/sys

Agora, o chroot:

chroot /mnt/ubuntu /bin/bash

E você estará rodando o Ubuntu instalado no terminal, podendo resolver uma série de problemas.

Em tempo, caso você não tenha certeza de quais partições o Ubuntu instalado utiliza, poderá usar o comando:

sudo fdisk -l /dev/sda