O melhor “Ubuntu” para o seu netbook

Tenho um Asus 1015-BX, um netbook com tela de dez polegadas que traz uma CPU AMD C-60 fazendo par com uma GPU Radeon 6290. Trata-se da plataforma AMD Brazos, antes Fusion, bastante comum também em notebooks “de entrada”.

Com o lançamento do Ubuntu 13.10, resolvi testar as opções de ambiente desktop para ter nesse netbook um sistema que rode rápido e sem engasgos.

Comecei com o Unity, a versão padrão, que rodou bem. Aliás, posso afirmar que já dá para usar o Unity num netbook, e isso com as vantagens a ele inerentes (o melhor aproveitamento da tela, para citar uma).

Em seguida, instalei o novíssimo Gnome 3.10 sobre o Ubuntu padrão via PPA, já que essa versão ainda não era estável o suficiente para ser lançada juntamente com o Ubuntu 13.10. O desempenho foi inferior, mas ainda bem próximo ao do Unity.

Como a versão oficial do Gnome no Ubuntu 13.10 é a 3.8, fiz também uma instalação limpa (“do zero”) do Ubuntu Gnome 13.10. O desempenho piorou.

Depois foi a vez do Xubuntu 13.10, que traz o XFCE 4.10 por padrão. Como era de se esperar, o sistema ficou mais esperto.

Não experimentei o Kubuntu 13.10 porque já tenho nesse netbook o Fedora 19 com o último KDE disponível (o 4.11.2), e sei que o desempenho fica entre o do Unity e o do Gnome Shell.

Também não instalei o Lubuntu 13.10, que é uma versão dirigida a máquinas com desempenho inferior ao da plataforma AMD Brazos. Além disso, o LXDE não chega a ser um ambiente desktop completo.

Minha conclusão, então.

A melhor opção para quem quer um computador rápido, que não “pense muito” após cada clique do mouse, é mesmo o Xubuntu. A diferença de desempenho entre o XFCE e o Gnome Shell, o último colocado, é facilmente sentida pelo usuário. Já a diferença entre o XFCE e o Unity não aparece tanto, mas está lá e é sentida, especialmente por aqueles que utilizam, concomitantemente, computadores com melhor hardware.

Minha próxima missão é testar o Mate no pequeno Asus, mas isso eu só farei quando for lançado o Linux Mint Mate baseado no Ubuntu 13.10.

Desligue o rolagem horizontal no Unity

Esta dica vale para o Unity do Ubuntu 13 (versão 04 ou 10, tanto faz). E acredito que funcionará também no Gnome Shell 3.6 e 3.8, cabendo a você descobrir se realmente funciona, já que eu não uso essa interface.

O configurador padrão para o touchpad não permite desabilitar o rolagem horizontal (horizontal scroll), que só
atrapalha em pequenos netbooks (no meu Asus 1015, por exemplo).

A solução que encontrei é usar o Dconf-Editor para desabilitar a função indesejada.

Para tanto, instale o Editor do Dconf como preferir (via Terminal, Central de Programas ou Synaptic). Pelo APT/Terminal, o jeito mais rápido, utilize o comando:

$ sudo apt-get install dconf-editor

Agora abra o Editor do Dconf pelo Dash (digite dconf e ele será mostrado) e navegue para a chave (painel esquerdo):

org > gnome > settings-daemon > peripherals > touchpad

desmarcando a opção (painel direito):

horiz-scroll-enabled

e usando o botão Definir padrão para terminar.

Agora é só usar seu touchpad sem que as telas sambem para os lados inadvertidamente.

Fonte desta dica aqui.

Em tempo: texto quase igual a este, e com algumas imagens, foi encaminhado a Seção de Dicas do VOL.

Ubuntu: Flash do Google Chrome no Chromium

Quem usa Linux há algum tempo sabe bem que o Adobe Flash Player for Linux parou na versão 11.2.x.x, que vem recebendo apenas patches de segurança.

Assim, para usar a última versão do Adobe Flash Player no Linux era necessário recorrer ao Adobe Pepper Flash do navegador Google Chrome, que muita gente rejeita por ser uma versão fechada (ou um fork) do navegador Chromium.

Aliás, exatamente por ser livre, o navegador Chromium está disponível na maioria das distros via repositórios oficiais, sendo sua instalação facilitada no Ubuntu.

Então, que tal obter o melhor de dois mundos, utilizando o Adobe Flash Player for Linux do Google Chrome, denominado Adobe Pepper Flash, no Chromium?

Isso é possível e este post vai lhe mostrar como.

Instale o navegador Chromium pela Central de Programas, como primeira providência,

Em seguida, habilite o PPA para o Adobe Pepper Flash no seu Ubuntu:

sudo add-apt-repository ppa:skunk/pepper-flash -y

Agora atualize as fontes e instale o pacote que vai cuidar de quase tudo automaticamente:

sudo apt-get update
sudo apt-get install pepflashplugin-installer

Finalmente, abra um arquivo de configuração do Chromium para acrescentar uma linha no final dele:

gksu gedit /etc/chromium-browser/default

ou

gksu gksu gedit /etc/chromium-browser/default
(a opção acima corrige um bug que abre no gedit, juntamente com o solicitado, um arquivo vazio)

E a linha a acrescentar é:

. /usr/lib/pepflashplugin-installer/pepflashplayer.sh
(há um ponto e um espaço antes do caminho para o arquivo)

Agora teste seu Adobe Pepper Flash  no Chromium, verificando que a versão dele agora é 11.9.x.x e não mais 11.2.x.x.

Caso venha a ter problemas com conteúdo em flash, desabilite o plugin nativo, caso o tenha instalado para uso com outros navegadores.

Para isso, acesse “chrome://plugins” (sem as aspas) pela barra de endereços do Chromium e faça as alterações como na imagem abaixo.

clique para ampliar
clique para ampliar

Caso sua lista de plugins apareça diferente da imagem, clique em “+ detalhes”, acima e à direita.

Este post foi inspirado por INSTALL PEPPER FLASH PLAYER FOR CHROMIUM IN UBUNTU VIA PPA.

O repositório Medibuntu morreu

Quem usa o Ubuntu costuma usar também o repositório Medibuntu, que continha pacotes multimídia. Sim, continha, passado, porque o repositório fechou.

Para aqueles que tinham o Medibuntu habilitado, resta desabilitá-lo e adicionar um repositório novo exclusivamente para o pacote libdvdcss, o único que faz realmente falta.

Para fazer isso via terminal, use os seguintes comandos (são três comandos, sendo que o terceiro vai de echo até list):

sudo rm /etc/apt/sources.list.d/medibuntu.list
curl ftp://ftp.videolan.org/pub/debian/videolan-apt.asc | sudo apt-key add -
echo "deb ftp://ftp.videolan.org/pub/debian/stable ./" | sudo tee /etc/apt/sources.list.d/libdvdcss.list

Agora é só atualizar o sistema:

sudo apt-get update && sudo apt-get dist-upgrade

Instalando o Dropbox no KDE4

É possível instalar o Dropbox no KDE4, funcionando na inicialização do sistema.

Para fazer isso em distribuições x86, ou de 32 bits, use os comandos abaixo no Konsole, o emulador de terminal do KDE4.

wget -O - "https://www.dropbox.com/download?plat=lnx.x86" | tar xzf -
ln -s .dropbox-dist/dropboxd .kde/Autostart/dropboxd
.dropbox-dist/dropboxd &

Agora configure sua conta Dropbox graficamente, aproveitando para verificar se o ícone do Dropbox aparece no systray (bandeja do sistema).

Para distribuições x86_64, ou de 64 bits, faça:

wget -O - "https://www.dropbox.com/download?plat=lnx.x86_64" | tar xzf -
ln -s .dropbox-dist/dropboxd .kde/Autostart/dropboxd
.dropbox-dist/dropboxd &

E, como na vez anterior, configure sua conta Dropbox graficamente e verifique o funcionamento do aplicativo.